quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Esconderijo

Se eu continuar aqui, bem quietinha, ninguém vai me ver. Lá vem o meu primo Agnaldo. Ele é esperto mas desta vez consegui ser mais esperta do que ele. Hum, ele agora encontrou mais um, meu outro primo, o Selton. Daqui a pouco é a vez da minha irmã. Do jeito que é medrosa não vai conseguir ficar muito mais tempo no escuro debaixo daquele tambor virado. Nossa, pensando bem, mesmo que ela fosse corajosa, acho que ela não conseguiria ficar lá embaixo muito tempo. Ela pode ficar sem ar e vai ter de sair de qualquer maneira do esconderijo. Só espero que aquela chata consiga sair sozinha senão vou ter de sair do meu esconderijo maravilhoso para salvá-la do sufocamento. Ou será asfixia? Preciso olhar no Aurélio.

Leia mais no http://blogadona.wordpress.com/2010/10/07/esconderijo/

2 comentários:

PapoPoetico disse...

Bacana seu texto
talvez você se divirta em http://papopoetico.blogspot.com/
A poesia é necessária
Tudo de bom

Margareth Marmori disse...

Muito obrigada Eduardo. O seu elogio me deixa super feliz. Dei uma olhada no Papo Poético e me admirei com o seu trabalho. Claro que o site já está entre os meus favoritos. A poesia é fundamental. Abraçao, Margareth