domingo, 8 de junho de 2008

Uma visita

Hoje à tarde uma vizinha que é enfermeira e mora aqui perto há quase dois anos, entrou pela primeira vez na nossa casa. Mas a visita não foi somente de cortesia. Ela veio porque de manhã eu a vi no jardim da casa dela e aproveitei a deixa para pedir-lhe que me aplicasse a injeção de pegfilgrastim.

Ela apareceu no começo da tarde e lhe contei que estava com câncer de mama. Não pareceu surpresa. Deve ter adivinhado ou ouvido de alguém na creche. Depois da aplicação, conversamos um pouco e mais uma vez tive razões para ser grata à vida.

A irmã dela, com apenas 32 anos, sofre de um tipo raro de câncer desde que tinha treze anos. Não lhe resta muito mais tempo de vida e é por isso que nossa vizinha passa tantos finais de semana na casa dois pais dela, onde a irmã doente está morando.

Quando ela me contou isso tive uma vontade louca de tocar a mão dela e falar o quanto aquilo me entristecia. Talvez, se ela fosse brasileira, ou se eu estivesse no Brasil, ou se eu já não tivesse morado tanto tempo na Dinamarca, eu teria feito isso. Provavelmente também teria dito o que tive vontade de dizer: “Puta que pariu! Aí também é foda”. Mas não fiz nem disse nada disso.

Só olhei bem dentro dos olhos azuis muito claros dela e percebi lá no fundo uma tristeza imensa misturada com uma necessidade quase tão grande de se manter forte para sustentar a si mesma, a irmã e a família na separação que inevitavelmente vai acontecer.

Enquanto olhava bem dentro dos olhos dela, me lembrei do meu pai, da dor e da saudade que a partida dele me deixou.

4 comentários:

Márcia Marmori disse...

Tá vendo?!?!?! Vamos mesmo "bricar" de Pollyana. Cruzes!!! Só em pensar que um dos livros mais chaaaaaaatos que já li em toda minha vida não sai da minha cabeça!!! Kkkkkk....

Beijos Mil

Te amo

Odete disse...

Estou gostando muito das suas atitudes diante dos acontecidos.

A saudade do seu pai também é diária mas temos que continuar...

Te amo muito mais do que você pensa. Estou sempre orando por você.

Muitos Beijos e Muitos Abraços.

Eliane disse...

Magareth, meu nome é Eliane e trabalho com a Carmen Cruz sua ex-colega de dividir apartamento em Brasília. Essa semana ela estava te procurando no Google e encontrou o seu blog mas como o acesso a blogs são bloqueados no nosso trabalho, eu fiquei de entrar aqui e encontrar um contato seu. ela quer muito retomar contato com você. O e-mail dela é carmenccruz@hotmail.com.

Abraços

Eliane

deoblog disse...

Viu, muitas vezes estamos sofrendo muito, e logo ali, alguém sofre muitíssimo mais que nós. Isso nos alerta que na nossa vida só temos coisas bacanas. Olhe a Pollyanna aí, kkk. Beijos da Deo